Amplia as tuas aulas

Blog de partilha de experiências educativas

Category Archives: Minecraft

Corrigindo comportamentos e desenvolvendo competências colaborativas no MinecraftEdu

É bem sabido que no trabalho de grupo é muito importante a forma como a comunicação se dá, assim como, as emoções e valores associados àquele processo. Este fato faz-se notar ainda com mais veemência em grupos onde o conflito surge facilmente.

Em algumas turmas, focar os alunos em atividades colaborativas complexas pode ser um desafio que requer um maior preparo e dedicação por parte do professor, que tem de ter em conta a forma como a comunicação ocorre e a resolução dos conflitos que possam surgir.

2016-02-17_09.21.24

videojogo não resolve por si só os problemas comportamentais, mas a motivação gerada por aquele mídia pode ser uma oportunidade para motivar os alunos para atividades que requerem colaboração em torno de projetos que necessitam de atenção e paciência. Criando-se um situação gerida pelo professor onde os alunos podem aprender a colaborar e a comunicar, permitindo ao professor diagnosticar/avaliar e corrigir os comportamentos que vão surgindo, reforçando as interações corretas e dando sugestões para melhorar o relacionamento entre os alunos.

O fato de o professor poder estar presente no universo virtual a colaborar no projeto, não sendo um pré-requisito, é apreciado pelos alunos, não obstante que terá de fazer interrupções para fazer um acompanhamento mais físico ou para gerir o servidor.

 2016-02-17_09.20.21

Nem tudo corre  na perfeição, existem alunos que dispersam facilmente, dedicando-se a projetos próprios, no entanto, tendem a manter a comunicação com os colegas e com o professor, além do fato de se estar isolado é desvantajoso quando a noite cai, o que funciona como um motivo adicional para a entreajuda.

 

Anúncios

Os alicerces do MinecraftEdu no Ensino Especial

 

alicerces

Ao planear o  desenvolvimento de uma atividade há que definir as regras de trabalho. Uma equipa organizada é essencial para executar um plano, caso contrário os alunos irão dispersar-se. A nossa primeira construção foi uma torre para que tivéssemos um ponto de referência, pois caso alguém se afastasse, teria sempre aquele referencial para poder voltar. Mas se a equipa não seguir as regras e o professor não estiver presente os alicerces do edifício nunca serão construídos.

Nos que respeita ao plano de aula, vários serão os aspectos relevantes com que me deparei nas últimas semana ao usar o MinecraftEdu no Ensino  Especial, mas considero que os seguintes têm sido os alicerces das atividades que tenho desenvolvido em conjunto com os alunos:

1 – Definir/criar um ponto de referência para os alunos não se perderem, pois aqueles tendem a dispersar-se pelo cenário, perdendo-se com grande facilidade.

O jogo permite teleporte para a origem, mas tal implica um novo carregamento do cenário e uma perca na “imersão” no jogo, além de que uma situação de autonomia será sempre preferível.

2 – Definir bem as regras que os alunos devem seguir durante a construção, em particular no que respeita ao que fazer e ao espaço onde deverão circular.

Há que pensar que materiais e ferramentas pretendemos utilizar. O modo criativo é muito bom, pois fornece tudo, mas ao mesmo tempo o excesso de recursos e ferramentas é muitas vezes um elemento de distração, pelo que tenho preferido dar os recursos ou fornecer as ferramentas para os alunos os obterem, o que em último caso implica um maior investimento destes no projeto.

3 – Quando possível, a presença do professor no jogo ajuda a manter o clima de trabalho e os alunos na área de construção, facilitando acompanhamento da atividade.

Circular entre os PCs de um grupo de alunos autónomos também funciona, mas a presença virtual do professor no jogo tem um peso maior, definindo o espaço de trabalho e fazendo eventuais demonstrações e correções. No ensino especial os alunos menos autónomos necessitam de uma acompanhamento constante, não só em termos de presença  virtual do professor, mas também através de uma comunicação oral constante.

 

 

Artigo no sítio da revista Visão sobre o MinecraftEdu na Escola Secundária de Lagoa

O artigo, que que resultou de uma entrevista telefónica sobre o Minecraft no Ensino Especial na  ESL, desde 2011, pode ser encontrado aqui.

Captura de tela 2016-02-16 00.11.52

MinecraftEdu na sala de aula

Após um mês de experiência com o MinecraftEdu pode-se, desde já, afirmar que as possibilidades de colaboração e configuração são, como se esperava, aquelas que se destacam aquando de uma abordagem no Ensino Especial com este videojogo, abrindo-se as portas para projetos colaborativos multidisciplinares e interdisciplinares, que podem ultrapassar facilmente as barreiras da escola.

Os alunos poderão as poucos passar a ser os mestres deste pequeno mundo, no qual o professor pode também participar.

Cubos na sala de aula

 

Numa preparação de trabalho colaborativo com um jogo do tipo Minecraft têm sido utlizados pequenos cubos, adquiridos a um preço módico na Amazon, para desenvolver uma atividade em que os aluno constroem em conjunto. Este processo requer negociação, comunicação e atenção às capacidades diferentes de cada um.

DSC06558 DSC06549

Pedia-se para elaborarem um muro com dimensões definidas e que colaborassem, respeitando-se uns aos outros, trocando instruções e tendo o cuidado de não destruírem o trabalho dos colegas. Não obstante o muro tenha ficado parcialmente completo, pois a sua dificuldade de construção levava a acidentes constantes, a sua execução no videojogo foi mais fácil pois os cubos do jogo não caem, o que permite a elaboração de projetos mais complexos.

Captura de tela 2014-10-15 11.24.05 - Cópia Captura de tela 2014-10-15 11.32.21 - Cópia Captura de tela 2014-10-23 09.34.42

Esta atividade levas os alunos a contarem e a fazer verificações constantes nas dimensões da construção e a corrigirem-se uns aos outro, criando-se pequenas situações de contraditório entre eles sobre as medidas e o método de construção. Desenvolve-se uma situação em que os alunos aprendem a conhecer e a respeitar as capacidades uns dos outros, assim como, opiniões diferentes da sua.

“Minecraft” na sala de aula–moldando ideias no ensino especial

 

Antes de mais, há que precisar o uso das aspas no título. Utilizamos o termo “Minecraft”  como forma de identificação do género, pois videojogo em utilização é o Manic Digger, cuja versão gratuita corre numa aplicação própria e não num browser, o que aumenta o desempenho. Para obter o mesmo resultado no Minecraft seria necessário possuir uma versão paga, o que traria várias outras vantagens, existindo inclusivamente uma versão direcionada à educação.

Quando comecei a utilizar este videojogo na sala de aula, recorri a referenciais esquemáticos  onde as medidas estavam explícitas de forma mais ou menos clara.

image  image

Os problemas colocados aos alunos nas últimas aulas têm partido de referenciais que carecem de maior capacidade de interpretação. Pede-se que o aluno trabalhe a partir de uma ideia, como foi o caso da construção de um igreja e de uma árvore de natal a partir apenas do conceito que os alunos possuíam das mesmas.

image     image

Esta abordagem coloca, assim, um outro tipo de desafio, pois o aluno trabalha sem a existência de um referencial externo concreto, indo cada discente conceber formas muito diferentes, que dependem tanto das suas noções, como da sua capacidade de concretização de ideias no videojogo.

image  image 

As interpretações dos alunos variam substancialmente, o que  pode ser utlizado como um instrumento diagnóstico e/ou ferramenta de desenvolvimento cognitivo em educação especial. De resto, o Minecraft já incorpora o currículo em vários países.

 

Minecraft na sala de aula–Ensino especial – últimas construções

 

image

Mais corretamente, atualmente estamos a usar o Manic Digger, pois é uma aplicação em que a versão gratuita possui mais funcionalidades. Todas as construções foram elaboradas pelos alunos com base em esquema feitos no quadro por este docente. A supervisão do professor limitou-se à identificação de falhas, que foram corrigidas, ou pelo menos melhorada pelos alunos. Nem todos os alunos conseguiram chegar ao nível de elaboração apresentado aqui, sendo este o trabalho de quatro dos alunos que melhor desempenho conseguiram. Os outros aluno continuam a conseguir construir formas simples, como as que já foram apresentadas neste Blog. Os meus objetivos no momento em que tive a ideia desta atividade, eram que os aluno conseguissem construir com base em projetos mais complexos, algo que se encontra a ser atingido por alguns discentes, faltando ainda o passo final, que seria os alunos elaborarem e executarem um projeto. No entanto, mas, na minha opinião, o que o alunos alcançaram, já foi um passo de gigante.

image  image image

image image image

image  image image

image  image image

image  image image

Acessibilidade no ensino especial

Em Novembro publiquei um artigo no blog Fell ThinK Grow Inspire sobre a adaptação de um Gamepad ao ensino especial. Estou convicto que em muitos casos se pode fazer muito com pouco, não havendo sempre a necessidade de grandes investimentos, quando se pode recorrer a meios e técnicas, que embora pensadas para outro tipo de situações, podem ser adequados ao ensino. No entanto, pelo menos, no campo das aplicações, já existem aquelas que foram propositadamente concebidas para o ensino especial e não custam nada, como é o caso do NVDA – nonovisual desktop access que possui uma qualidade idêntica outras aplicações que são pagas de forma substancial por escolas e instituições.

 

gamepad

“Gamepad como interface de acessibilidade no ensino especial – Blog Feel Think Grow Inspire”

Neste artigo refiro-me à utilização do gamepad como alternativa ao rato, numa situação em que a aluna possui uma condição que lhe dificulta o manuseamento deste último periférico. Todavia, acredito que uma solução touchscreen será preferível nesta situação. E num futuro próximo,  a combinação do Leap com um interface optimizado para touchscreen (como o windows 8) poderá vir a ampliar muito a acessibilidade ao computador.

Recentemente, tendo notado que a aluna “tremia” menos com a mão, quando fazia pequenos movimentos, sugeri que se usasse o rato com a sensibilidade elevada (ao contrário do que normalmente se faz), para que a aluna pudesse controlar aquele interface com movimentos muito subtis da mão, o que, segundo a hipótese colocada, reduziria o “tremer” da mão. Esse método está a ser implementado, com alguns resultados, mas só o tempo dirá se terá sucesso.

Download do artigo

 

Penso que uma filosofia de adequação de hardware e software poderá não só optimizar o uso de tecnologia no ensino, como poderá permitir fazê-lo a um custo baixo, recorrendo a recursos que estão facilmente disponíveis. Destaco o caso do software em que frequentemente se opta pela utilização de aplicações que são pagas, quando existem outras equivalentes que são gratuitas.

Quadrados, retângulos, perímetro e áreas no Minecraft

image

As indicações escritas colocadas no quadro (como se pode ver na figura abaixo) eram sobretudo para a equipa de professores se orientar , pois os alunos do Ensino Especial usavam os esquemas como referência. Primeiro tiveram de elaborar com pequenos cubos um quadrado e um retângulo, assinalando qual era qual. Depois, contando novamente os cubos de plástico, mediram os lados das formas geométricas, o que evidenciou  ainda mais a diferença entre o quadrado e o retângulo. Só então, é que reproduziram o raciocínio utilizando o videojogo  Minecraft.

  image  imageimage

Após esta primeira fase, o alunos encheram o interior das formas geométricas com cubos e contarem o total de elementos presentes em cada forma, o que lhes permitiu determinar a área. Procedendo de igual maneira no ambiente virtual.

image  image image

O perímetro tornou-se mais complexo de determinar, pois contar os cubos por si só induzia no erro de se admitir que o perímetro era 8 para um quadrado de lado 3 e a forma como se estava a enunciar o problema aos aluno ainda estava a criar mais confusão, no entanto, numa aula posterior teve-se algum sucesso com o sistema seguinte em que se contaram duas vezes cada quadrado do cantos.

image

No entanto, futuramente, tentar-se-á que os aluno contem os lados do quadrados mais pequenos, o que dará uma conta certa de imediato, no que respeita ao perímetro. Um problema surge, no entanto, no caso apresentado, em que a área e o perímetro são “16”, parecendo, para já, ser difícil a abordagem das unidades nesta modalidade de ensino.

No que respeita à utilização do videojogo, parece-me que a  vantagem é mais do que motivacional, pois este está a ser utilizado como espaço de aplicação e mobilização de competências, no entanto, o seu potencial a longo prazo poderá ser ainda maior, pois o Minecraft permite elaborar estruturas mais complexas do que as conseguidas com cubos de plástico. A ideia será os alunos projetarem de forma precisa construções como aquela que apresento a seguir, que foi elaborada por um aluno, mas de forma livre.

imageimage

Não houve, neste último caso, qualquer projeto inicial, pois ocorreu num momento que criei com o objectivo dos alunos darem largas à sua imaginação e que vem a revelar a outra faceta deste videojogo, isto é, além de ser um espaço onde apenas se aplicam projetos, pode ser também um espaço de criatividade.

Minecraft na sala de aula – Matemática

 

O Minecraft possui um vasto potencial ao nível da Matemática no Ensino Especial. De momento, peço ao aluno que construa quadrados e rectângulos em que necessita de contar o número de unidades em cada um dos lados de acordo com um referencial que elaboro previamente.

  imageimage

O aluno faz primeiro um modelo físico usando cubos e depois passa esse modelo para o ambiente do videojogo Minecraft.

imageimage

A ideia no entanto é ir bem mais longe que simples contagens, pois pretendo criar situações de aprendizagem em que o aluno deverá aprender os conceitos de perímetro, área e até volume, associando operações de adição subtração e multiplicação.

A terminologia numérica utilizada atualmente, sempre que apresento um novo rectângulo aos alunos é o ponto de partida para futuras multiplicações, pois contando o número de cubos que formam e preenchem um rectângulo obtemos o produto, criando-se assim uma forma concreta de os alunos virem a executar pequenas multiplicações e determinarem áreas. A longo prazo, existe a possibilidade de o aluno passar para o domínio de uma terceira dimensão e vir a determinar volumes, podendo, nesse caso, recorrer à calculadora, ferramenta que passaria a aprender a dominar melhor.

image

Uma vez desenvolvidas as competências básicas ao nível das três dimensões e tendo o aluno alguma percepção das noções de medidas pretende-se passar para uma fase em que o aluno mediante um pequeno guião irá elaborar pequenos projetos, como, por exemplo, a construção de uma casa, na qual se daria uma especial atenção às dimensões das várias divisões, segundo os métodos de medida aprendidos.

image

O facto de os cubos utilizados medirem exatamente um centímetro facilita o processo de medida e possibilita mobilização do conceito de medida de uma atividade para outra, por exemplo, enquanto exponha os meus planos ao professor de Educação Especial, este sugeriu que se transpusessem algumas das construções para modelos de madeira ou de algum material moldável. Uma tal transposição será muito facilitado pelo facto de os cubos utilizados nos modelos medirem um centímetro, possibilitando o uso de outros instrumentos de medida, como uma régua, sem ter que fazer conversões, que nesta modalidade de ensino e numa fase inicial da atividade seriam um obstáculo, se bem que poderiam ser uma atividade interessante com alunos mais avançados.